Arquivo do mês: outubro 2008

A culpa é de Saturnino

O bicho era ruim, daqueles que gostam de mostrar que são carne de pescoço. Ele só não sabia que estava dando asas a maior cobra de todos os tempos. Lampião. Esse sim era carne de pescoço.

Publicado em Xilo | Deixar um comentário

Os carrapatos

Um dia desses tive a oportunidade de conversar com uma pessoa da equipe de reportagem e o camarada falou: não tem jeito. Já tentamos de tudo, filmar de baixo pra cima, subir em palanque, colocar pano, mas sem resultados. Eles … Continue lendo

Publicado em Qualquer coisa | Deixar um comentário

Erivaldo

Na Feira de São Cristóvão ele fica na praça principal, com sua barraquinha, cavando novas matrizes e vendendo cordel. Para quem quer ver o processo, é perfeito. Para quem quer comprar, também. Xilogravuras grandes a preço bem honesto, e se … Continue lendo

Publicado em Xilo | Deixar um comentário

Perfeita. Sublime

De todas as capas que vi na literatura de cordel, esta, para mim, é uma das melhores. José Cavalcanti e Ferreira Dila, assina de várias formas: Dila, Sabóia, Kirbano, Kirbano Sabóia, Dylan, Debela, Alexandre José Felipe Cavalcanti d´Albuquerque Sabóia, Marechal … Continue lendo

Publicado em No cordel | Deixar um comentário

Quase invocação. Um preparo

No post abaixo falo de invocação, que os poetas pedem às superiores criaturas para desempenhar seu folheto. Neste caso aqui, Gonçalo Ferreira não faz propriamente uma invocação, mas diria, uma visitação. Vejam essas três primeiras geniais estrofes extraídas do folheto … Continue lendo

Publicado em No cordel | Deixar um comentário

Invocação

Esse é o nome do apelo que os poetas fazem no princípio de alguns folhetos. Segundo Sebastião Nunes Batista, um dos maiores estudiosos da poesia popular, essa modalidade chegou à literatura de cordel por volta de 1920, mas já era … Continue lendo

Publicado em No cordel | Deixar um comentário

Nossos Dois Irmãos

Olhando vocês distantes no alto imponentes e azuis, perto da margem que outrora do lado era uma vargem e agora ornados, têm o asfalto entre amarelos e os azuis de cobalto e a pedra da Gávea perto, tangente torna a … Continue lendo

Publicado em Artes plásticas | Deixar um comentário

Tec, tec, tec, tec…

Escrevi de A a Z nas teclas aleatórias e tive no meu passado o encanto de muitas glórias. Hoje aqui, aposentada ando meio enferrujada só lembrando das histórias.

Publicado em No cordel | Deixar um comentário

Liquidificordéis

Publicado em No cordel | Deixar um comentário

100 capas depois

Quando entrei para a Academia de Cordel queria fazer apenas uma capa. Impossível.

Publicado em No cordel | Deixar um comentário